A Mel­hor Cerveja do Mundo

Sem­pre há uma enorme dis­cussão sobre qual é a mel­hor cerveja do mundo. Talvez dev­ido ao enorme número de exem­plares ou a qual­i­dade tão alta que torna difí­cil colo­car óti­mas cerve­jas em pata­mares dis­tin­tos. Mesmo os mel­hores som­me­liers com os olfatos, pal­adares e tatos mais aguça­dos não têm uma escolha defin­i­tiva. Não é fácil nem uma definição do que seria a mel­hor cerveja do mundo.

Para ser justo com cada um dos ado­radores da cerveja, a per­gunta deve ser: “Qual a mel­hor cerveja do mundo para você?” A per­cepção da cerveja é extrema­mente sub­je­tiva e forte­mente afe­tiva. Dis­tin­guir a qual­i­dade, aro­mas, gos­tos, defeitos parte de bas­tante téc­nica e treino e essa análise “fria” é real­izada em con­cur­sos, quadros sen­so­ri­ais, etc. Mas o prazer que uma cerveja pode pro­por­cionar está longe deste tipo de análise.

Creio que grande parte de vocês já tiveram a impressão de que uma cerveja que você já tinha tomado não estava tão gos­tosa quanto da outra vez. Ou estava deli­ciosa desta vez, muito mel­hor do que da ante­rior. Con­ferindo o lote, sur­presa! Era o mesmo. Aí entra a parcela das emoções. Da vez que ela estava mais gos­tosa, cer­ta­mente o ambi­ente, a ocasião ou até sua vida pes­soal e profis­sional estavam lhe pro­por­cio­nando mais prazer e mudando sua percepção.

Além disto, a memória afe­tiva tam­bém tem grande papel. Sabe aquele “cheiro da casa da vó”, “cheiro de infân­cia” ou “cheiro do sítio do tio João”? Se aquele aroma está lig­ado a alguma lem­brança ou emoção, vai influ­en­ciar em como você vai sen­tir a cerveja. Para o bem ou para o mal. Certa vez tomei uma cerveja que, entre out­ros condi­men­tos, tinha anis. Desde que con­sigo me recor­dar, minha mãe faz um doce para o natal que leva anis na massa e a casa inteira fica com este aroma. E sem­pre é uma recor­dação muito gos­tosa pois, além da época de natal, lem­bra de toda a família fazendo o doce junta. Eu era respon­sável por esticar a massa. A cerveja me reme­teu a tanta coisa boa que não tinha como eu achar ela hor­rível, mesmo se ela tivesse pequenos defeitos.

A sua “mel­hor cerveja do mundo” pode ser uma com uma qual­i­dade altís­sima e bem cotada no mundo cerve­jeiro mas pode ser tam­bém “aquela IPA com gosto de almoço na casa da madrinha” que seu amigo cerve­jeiro caseiro fez.

No events

Entre em con­tato conosco…

Ou inscreva-​se para rece­ber todas as novidades!